Inspetor D.Lucas

Outras publicações de Inspetor D.Lucas

Sou motociclista, sempre fui e não lembro o dia que não tenha andado de moto ou que não tenha pensado nela. Motocicleta é mais que um meio de transporte, é um prazer.

No CTB MOTO é um veículo assim como um caminhão bitrem!

24 de Abril de 2012

|

ENCONTRODEMOTOS.com

Para o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) os automóveis, motocicletas, caminhões ou ônibus são todos VEÍCULOS AUTOMOTORES. Estes, por sua vez, devem transitar em FAIXAS DE TRÂNSITO, ou seja, em uma das áreas longitudinais em que uma pista de rolamento pode ser subdividida.

As faixas geralmente são sinalizadas por marcas viárias, que separam e ordenam a circulação e estabelecem as regras de ultrapassagem. Não estão previstas outras possibilidades para o posicionamento na via, portanto todos os veículos automotores devem ocupar o espaço delimitado para a faixa de trânsito, formando uma fila.

Nas filas, os veículos devem transitar na faixa de trânsito mantendo uma distância lateral e frontal, em relação aos demais automóveis, bem como ao bordo da pista. O “corredor” é a soma das distâncias laterais de segurança dos veículos em suas respectivas faixas.

O motociclista deve ter cuidado quando for trafegar no corredor entre os carros. Antigamente existia uma lei que proibia o tráfego entre os carros (Art 56), mas foi vetada no governo FHC porque não seria possível coibir este ato, já que as motocicletas são usadas exatamente para esse fim, economizar tempo e espaço, reduzir o tempo no trânsito e ser maleável e sempre ter um caminho livre a sua frente.
O constante debate, sobre o espaço que as motocicletas devem ocupar ser equivalente a de um veículo de quatro rodas cria protestos. Porque na hora de estacionar o veículo, as regras para a motocicleta são outras. Ela deve ocupar um espaço menor.

O CTB determina o estacionamento de forma paralela à guia para os veículos de mais de três rodas (triciclos e automóveis de três rodas), e quanto aos de duas rodas, deve se posicionar perpendicular à guia da calçada com uma das rodas encostadas ao meio fio. E se tantas motos que são vendidas ocupassem o mesmo espaço de um veículo de quatro rodas? Não haveria espaço para tantos veículos e seria o caos generalizado.

Para entender melhor, os caminhões bitrem e cegonha com AET (Autorização Especial de Trânsito) que circulam principalmente nas rodovias ocupam o mesmo espaço de uma moto, ou seja, são veículos e a regra é a mesma para todos os casos. Porém mesmo estando sob a mesma legislação, o motociclista deve priorizar sua integridade física, visto que em um acidente de trânsito o menor sempre leva a pior, ou seja, as sequelas serão muitas vezes irreversíveis se o acidente ocorrer.

A tal preferência no trânsito neste caso deve ser pensada e na questão de segundos em que tudo acontece, o bom senso deve ser aplicado. Não queira ser melhor ou andar mais rápido, é bom saber que a moto é completamente vulnerável, e uma colisão transversal (lateral) com qualquer veiculo você sempre levará a pior.

Portanto é bom também saber que o trânsito é feito pelas pessoas. E, como nas outras atividades humanas, quatro princípios são importantes para o relacionamento e a convivência social no trânsito. O   primeiro deles é a dignidade da pessoa humana seguido do princípio da igualdade de direito.  O terceiro é o da participação e para encerrar a lista a corresponsabilidade pela vida social.

Dê sempre a preferência quando estiver em uma moto, mesmo estando certo de que tem prioridade, porque a moto sempre será a parte mais frágil de um acidente.